5 dicas importantes de como lidar com as pessoas

Tempo de leitura: 5 minutos

Gerenciar e lidar com as pessoas seria fácil se todos trabalhassem com afinco, colaborassem e tivessem uma boa atitude e talento excepcional. Mas, então, não seria gestão.

Os líderes ficariam sentados fazendo pouco, enquanto legiões de pessoas altamente motivadas trabalhavam felizes e diligentemente. A realidade, claro, é muito diferente.

Simplificando, algumas pessoas são fáceis de gerenciar e outras requerem um pouco mais de jogo de cintura. E isso assume muitas formas.

Alguns são talentosos, mas não colaborativos. Alguns são colaborativos, mas não muito talentosos. Alguns são muito agressivos e outros não são agressivos o suficiente. Alguns são bem intencionados, mas mal-humorados ou facilmente distraídos. Alguns são simplesmente difíceis. E assim por diante.

Você entendeu a ideia. Mas, então, como você gerencia esse subconjunto desafiador para lidar com as pessoas da melhor maneira?

1. Entenda a natureza da gestão de pessoas

Aceite que a administração é um trabalho inerentemente complexo e difícil e não lute contra isso. Não perca tempo e valiosa energia mental desejando que não fosse assim. Reconheça que frustrações e situações difíceis acompanham o território da gestão e a vida do líder.

Por isso, você está sendo compensado mais do que se você não estivesse na gerência. Aborde questões delicadas de funcionários de forma positiva, como um quebra-cabeça intrigante para resolver.

Não evite ou destrua conflitos, mas lide com isso direta e imparcialmente. O conflito é a moeda da administração. Se você os detesta, a gerência provavelmente não é o trabalho certo para você.

Os melhores gerentes não são “evitadores de conflitos”, mas, tampouco, agenciam os outros quando estes ocorrem. Lembre-se: você terá que continuar trabalhando com essas mesmas pessoas no futuro. Melhor procurar resoluções construtivas justas e não simplesmente “fazer do seu jeito”.

2. Tente ver as coisas através dos olhos dos outros

Essa dica para lidar com as pessoas é mais fácil falar do que fazer. Mas, pode haver razões pelas quais uma determinada pessoa é difícil de gerenciar. Ele ou ela sempre é assim ou novos fatores externos podem estar contribuindo?

Existe alguma coisa no seu próprio estilo de gestão (difícil de imaginar, mas necessário) que poderia estar provocando uma resposta de oposição?

O microgerenciamento  pode parecer inicialmente como uma coisa boa, mas o controle excessivo sobre sua equipe pode acabar prejudicando a produtividade.

Se você puder analisar de forma holística uma situação problemática e obter insights sobre por que alguém está agindo da maneira como está, isso pode levar você a uma solução construtiva.

3. Obtenha ajuda para lidar com as pessoas

Este é um passo fácil para lidar com as pessoas, mas muitas vezes negligenciado. Obtenha uma perspectiva sobre um funcionário difícil de alguém em quem você confia no julgamento.

Pode ser qualquer um: um contato do RH, um mentor, seu próprio gerente, um colega. Buscar opiniões quando surgem problemas com funcionários não é sinal de fraqueza. É julgamento sensato.

Os Recursos Humanos podem ser especialmente úteis, nesse momento. Procure estabelecer relações de trabalho próximas com os indivíduos — independentemente do nível na hierarquia da empresa — que você acha que são especialmente capazes.

4. Defina objetivos de trabalho claros e mensuráveis

Atingir os objetivos da empresa e da equipe deve ser uma questão objetiva e não passível de debate. Se seus funcionários atingiram ou não suas metas de desempenho, você deve conseguir medir isso em números, e ter tudo bem documentado.

Ter metas claras às quais você e seus funcionários possam se referir com frequência para garantir que estejam no caminho certo, torna a avaliação do desempenho mais concreta e menos nebulosa. Além de ser um dos principais hábitos de pessoas eficazes.

Quando um funcionário problemático não está atingindo metas, você tem algo totalmente tangível para discutir e elimina o espaço para análises subjetivas.

5. Pense em termos de ativos e passivos

Os ativos representam todos os bens e direitos de uma instituição, enquanto os passivos são as obrigações e dívidas contraídas por esta. No fim do dia, lidar com pessoas também significa saber selecionar sua equipe de forma a manter somente aqueles que são ativos para a empresa.

Embora a comparação seja um pouco simplificada, essa abordagem tem aplicabilidade para a gestão de pessoas. Um funcionário problemático ainda adiciona valor real à organização?

Ao lidar com as pessoas, tenha em mente que alguns dos profissionais mais brilhantes podem ser um pouco difíceis — como colaboradores desiguais que gostam de fazer as coisas do seu jeito. Mas, os benefícios que trazem para a empresa devem superar em muito os problemas que causam, os tornando ativos para a instituição.

Se, por outro lado, eles se tornam tão perturbadores que suas realizações são superadas pelos problemas que causam, então, seriam passivos e seria hora de dispensá-los. Sempre trabalhando em estreita colaboração com os Recursos Humanos, é claro, para ter certeza de que tudo seja tratado da maneira correta.

Essa é uma medida perfeita por meio da qual é possível visualizar o desempenho dos funcionários? Dificilmente. Mas, sem dúvidas pode ajudar a avaliar as pessoas e ver o valor que trazem para o time como um todo.

Não há interruptores ou soluções imediatas para melhorar a forma de lidar com as pessoas. Entretanto, algumas abordagens fundamentais podem tornar a rotina mais fácil e têm relevância para os funcionários em todos os níveis — seja na área de produção ou na diretoria.

Gostou das nossas dicas para lidar com as pessoas? Na sua experiência, tem alguma dica que não mencionamos e pode ser útil para nossos leitores?